Tag Archive | ideologia

Par Enantiodronômico

par-enantiodronomico

por Augusto de Franco

Alessandro Gagnor Galvão compartilhou a seguinte publicação de Eduardo Carreira no grupo Dagobah:

Eduardo Carreira:

“David Horowitz (o grande branco ex-pantera negra) está certíssimo: 1) a esquerda revolucionária é basicamente rousseauniana e infantil quando acredita piamente naqueles mitos simplórios do século XVIII sobre a bondade inata dos humanos; 2) a esquerda revolucionária tem obsessão com o futuro, que é fundamentalmente um campo imaginário (ao contrário do passado que pode ser de algum modo aferido); 3) a esquerda revolucionária se considera um exército bem intencionado de salvadores da humanidade, cujo projeto só é questionado por pessoas escrotas que devem ser eliminadas; 4) a esquerda revolucionária vive de mentiras. E não só aquelas relativamente típicas e abstratas da realpolitik. Como sabem meus amigos que continuam lá, nunca se pode ser um esquerdista/revolucionário consciente sem mentir sobre quem é você”.

Segue abaixo a minha resposta.

Augusto de Franco:

“Sim, parece correto, mas há problemas nessa formulação. Apenas para explicitá-los vou fazer uma paródia.

1) a direita conservadora é basicamente hobbesiana e infantil quando acredita piamente naquela hipótese, sem comprovação científica, de que os seres humanos têm uma natureza competitiva e, se abandonados à sua própria sorte, se engalfinhariam numa guerra de todos contra todos; 2) a direita conservadora tem obsessão pelo passado, que é um campo tão imaginário quanto o futuro, na medida em que seus historiadores constroem a história da frente para trás, projetando sobre o passado (que não existe mais, porquanto já passou), sem transposições hermenêuticas válidas, as visões geradas pelas condições presentes (e fazem isso não para conhecer o passado e sim para sulcar um caminho para o futuro condicionado pela repetição de passado); 3) a direita conservadora se considera um exército de pessoas que devem combater a esquerda para manter os valores da civilização, em geral ocidental, mas nem sempre (e em muitos casos cristã ou religiosa: afinal, se deus não existe, tudo seria possível) – como a família, a tradição, a propriedade, a ordem e a hierarquia (quando não a disciplina, a obediência, o comando-e-controle e a fidelidade imposta top down) – e julga, sem qualquer base racional, que existe uma besta-fera humana, um homo hostilis primordial em cada um de nós, que deve ser domado pela civilização; 4) a direita conservadora vive de mentiras (tal como a esquerda). E, na prática (tal como a esquerda) adota sempre – ao fim e ao cabo – a realpolitik, que é autocrática (não-democrática).

Enfim, a esquerda revolucionária e a direita conservadora compõem um par enantiodronômico.

Anúncios

Pensamentos soltos de fim de tarde após ouvir choros, lamúrias, ranger de dentes, sorrisos, exaltações…

por Carlos Augusto

Ideologias querem substituir características eminentemente humanas como compaixão, equanimidade e alegria.

O sujeito acha que vai impingir estas características ao restante do mundo, porque universalizará a sua ideologia. Parece uma ideia genial fazer o mundo compassivo, equânime e alegre. Do meu jeito, claro.

Ideia tão genial e tão boa, que explica porque em maior ou menor grau as ideologias são totalitárias: elas pressupõe atingir a totalidade para poderem operar. Afinal o mundo não pode ser compassivo, equânime e alegre apenas em parte. Sendo esta a gênese do problema que a ideologia vem resolver. Bora mudar o mundo !

Quando o sujeito está imerso em sua ideologia – sempre para o bem de todos os seres viventes do planeta – brota nele invariavelmente o pensamento integral, monolítico, inquebrantável, a partir do qual só através deste se atinge o bem. Ora, tal altruísmo, tal grandeza de propósitos, jamais poderia se dar em metades ou por partes, ou minimizada de algum modo. Aceitar tais coisas seria aceitar o mal.

A ideologia é a expressão do bom. Há o revestir-se de sacralidade, que dá aso a uma ação reverencial em relação a ideia, de forma que, quando o sujeito a pensa, ele se investe nesta bondade suprema. Pronto ! Ele é um santo.

E como todo santo que se preza, almeja a totalidade, e quer de volta, como preço, como paga, o amor daqueles a quem quer apenas propiciar compaixão, equanimidade e alegria.

O problema – sutilíssimo e que escapa ao sujeito embevecido em sua infinita bondade santificada – é que congregando compaixão, equanimidade e alegria temos o santo em si.

Explico: não é a santidade adquirida que faz um santo. Ninguém se torna santo. O santo já vem revestido de santidade. Isso explica aquela máxima de que Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos.

Aí você pode perguntar: mas como então desenvolver a compaixão, a equanimidade e a alegria neste mundo ?

Pulo do gato: todo santo almeja a totalidade, lembra ? mas esta totalidade é interna. Não externa. Não há necessidade do outro. Nenhuma.

Quer uma ideologia pra viver ? Te dou uma: não há maldade neste mundo. Todo o mal, todas as atrocidades, tudo que há de abjeto, repulsivo e de dor foi causado pelas mãos de gente que só queria o bem.

MultiPlicidade Interestelar na Não-Linearidade `Patafísica

“O P.I.P.A. não está na esquerda, nem na direita, nem no centro, e sim NO ALTO” – Timóteo Pinto, pós-pensador `patafísico

 

Muito se têm discutido ultimamente entre alguns de nossos colaboradores nos bastidores da comunidade do P.I.P.A. os seus diferentes afetos em suas eternas buscas por uma ideologia pura & imaculada livre de contradições. Éris suspira, entediada.

Diferentes discordianos de várias vertentes sempre, ou quase, defendem a multiplicidade de idéias, as exceções `patafísicas, as recombinações, a mistura e a não dogmatização de conceitos, o amplo agnosticismo, mas alguns sempre escorregam em seus fetiches ideológicos e meméticos em busca de conforto & segurança.

Mas a política complexa intergalática groucho-marxista do P.I.P.A. para o século 21 chega para transcender essas binariedades limitantes e caracinzas do século passado.

“Eu me contradigo? Pois muito bem, eu me contradigo, sou amplo, vasto, contenho multidões.”
Walt Whitman

Na figura do condivíduo-ídolo-símbolo-`patafísico –delirante do P.I.P.A. Timóteo Pinto exemplificamos perfeitamente o que queremos demostrar, ou não. Ele é isso e aquilo, e nem isso, nem aquilo. Ele contém em si idéias de um determinado polo, mas também do outro em sua dança cósmica recombinatória interplanetária.

“Os óculos monocromáticos da linearidade vampirizam-nos a autocrítica” – Romulo Rodrigues de Carvalho

Pode-se imaginar as idéias e propostas do P.I.P.A. como um mashup de conceitos, em algum sentido. De parte da esquerda nós sampleamos a defesa das minorias, da diversidade e os devires e de parte da direita pirateamos a autodeterminação do indivíduo frente a um estado que tende à burocratização e ao autoritarismo. E acima de tudo, também abandonamos ambos os polos do espectro político.

Para melhor des(orientação) da natureza de nossa proposta, no campo das influências no quadro partidário oficial & imaginário (“a imaginação é muito melhor” – Verde, Fada – 2006) o P.I.P.A. tem apreço pelas propostas do Partido Surrealista Brasileiro. Internacionalmente o P.I.P.A. tem influências do The Youth International Party e do Guns and Dope Party (Estados Unidos), do The Rhinoceros Party (Canadá), do Union of Conscientiously Work-Shy Elements (Dinamarca), do The Deadly Serious Party (Austrália), do The Hungarian Two-tailed Dog Party e do The Best Party (Islândia).

Por menos cegueira ideológica e por uma visão de longo alcance multi-colorida de 523 graus, vista os óculos do P.I.P.A.!

“Eu não acredito em nada. A maioria das pessoas, até mesmo as educadas, acham que todo mundo deve “acreditar” em uma coisa ou outra, que se alguém não é um teísta, é preciso ser um ateu dogmático, e se não achar que o capitalismo é perfeito, é preciso acreditar fervorosamente no socialismo, e se a pessoa não tem fé cega em X, deve-se em alternativa, ter fé cega em não-X, ou o inverso de X. A minha opinião é que a crença é a morte de inteligência.” – Robert Anton Wilson

Meme Dilma Discordiana

O nosso colaborador e partidário Dark Night, juntamente com ENLIL (ambos consPiradores da des[organização] intergalática Sociedade Fnordiana Discordiana) não curtem os memes da esquerda, o que tem levado a intensos debates ideológicos `patafísicos no partido.

Mas ao mesmo tempo Dark Night tem observado sinais caóticos, fnords e koans vindos da presidente.

Seguindo esse tema, segue o meme criado por ele, Dilma Discordiana, com frases discordianas atreladas a imagens de Dilma.

Dilma1

unidilma

Dilma2

Dilma3