O prêmio Lula de melhor Lula vai para o… Lula, OU o que o #meuamigosecreto tem a ver com a lama tóxica

por Alex Antunes

O título não é (totalmente) gozação: o Instituto Lula avisa que o prêmio Luiz Inácio Lula da Silva para aqueles que contribuíram para o desenvolvimento rural foi atribuído… ao Lula. Seria ridículo, se não fosse ridículo. Mas converge com um dos hábitos mais bizarros da esquerda governista do século passado: o do culto à personalidade.

Tudo começou com as homenagens recorrentes ao finado Lenin, morto em 1924 (homenagens cuja progressiva solenidade era precisamente uma cortina de fumaça para a extrema distorção da revolução russa promovida por Stalin). Dessa época é o início do, digamos assim, surto simbólico que levou, entre outras coisas, ao apagamento de Trotsky das fotos históricas – com se mudar uma foto mudasse a própria história.

Não estou dizendo que se Trotsky tivesse podido vencer Stalin a revolução socialista teria sido levada a bom termo (o próprio Trotsky negava a possibilidade da revolução em um só país). Mas o fato é que Trotsky tinha uma percepção cultural bem mais sofisticada, vide as conversas de bom nível com gente como o surrealista André Breton, ou com o casal Diego Rivera e Frida Kahlo (com quem teve um affair ao se refugiar no México, onde acabaria morto).

O culto a Lenin produziria, além da estatuária, itens involuntariamente paspalhos como o broche do Lenin-bebê (foto), que é uma espécie de apropriação de esquerda do milagreiro Menino Jesus. Junto com a virgindade de sua mãe (fecundada por um pai incorpóreo), e a própria vitória de Jesus coincidindo com sua aniquilação física, não é estranho que uma mitologia monoteísta como a cristã se empenhe em situar a fonte da virtude moral fora do corpo. Também não é estranho que a mulher, dotada de útero (ou seja, de um equipamento reprodutor de matéria), seja considerada fonte da tentação viciosa.

O que é esquisitão é que a esquerda supostamente marxista (ou seja, em tese fundada no materialismo dialético, que trata da interrelação dos sistemas sociais com as contingências físicas da produção econômica) viaje nessa maionese simbólica. Como hoje em dia, quando esse é o caso de Nicolás Maduro, que vê o comandante Chavez no c* do cachorro (brincadeira, viu no barro, e piando em um passarinho).

Ou de outro maluco, o nortecoreano Kim Jong-Un, que herdou de seu pai a infalibilidade (isso nem o Papa alega mais) e títulos oficiais que mais parecem nomes de fantasias categoria luxo de Clóvis Bornay, como “Grande Homem Que desceu do Céu” (천출위인), “Suprema Encarnação do Amor Revolucionário Entre Camaradas” (혁명적 동지애의 최고화신)  e  “Grande Homem, Que É Um Homem de Ações” (실천가형의 위인). Eu maldosamente traduziria como “O Grande Homem Que Caiu na Terra”, “Suprema Encarnação do Amor O Que É Isso, Camarada” e “Grande Homem, Que É Gente Que Faz”.

Brincadeiras à parte, há enorme perigo em envolver um movimento popular com essas simbologias delirantes. Vimos na Rússia uma revolução que, em seu início, mobilizou uma enorme potência criativa – o que pode ser aferido no desenvolvimento explosivo das artes locais, como no cinema (Einsentein, Vertov) e nas poéticas visuais e literárias (Rodchenko, Maiakovski). Stalin se encarregaria de domar e canalizar essa inventividade para a institucionalidade merreca do realismo socialista.

A potência simbólica soviética viria a inspirar, por um lado, a épica nazista, e depois a maoista; e por outro a própria indústria cultural pop. Sim, cineastas russos da década de 1920 como Vertov, Eisenstein e Kulechov são os pais do videoclipe (e as drogas psicodélicas são as mães). Por sorte, chegamos ao século 21 mais equipados para arrastar impiedosamente gente como Maduro e Kim Jong-Un – e Lula – no seu próprio ridículo. Fora um ou outro surto simbólico descontrolado mas rapidamente debelado, como o da Dilma “Coração Valente”, temos (pelo menos uma parte de nós) mostrado resistência a esse tipo de credulidade. Aqui, fizemos flopar um projeto insidioso como o do filme Lula, o Filho do Brasil, peça-chave do lulismo, que passava do bolivariano ao nortecoreano.

Mas onde está, então, na disputa simbólica atual, o resquício de “verdade”, do que interessa? A minha resposta, a sério, é: na zoeira. A grande inteligência coletiva revelada na horizontalidade da internet tem a ver com a disposição (quase incontrolável) de desconstruir o que se apresenta como solene e/ou sagrado, ou seja, vertical. Assim, a rede não é um campo a mais onde o marketing possa lançar suas narrativas sem ter uma recepção crítica. O atraso do PT (ou sua condição patriarcal de “fim de uma era”, e não “o início de outra”) se comprova pela tacanheza narrativa dos chamados blogs progressistas (petistas).

Um novo discurso feminista, por outro lado, começa a marcar posição nas redes. Neste texto, A carapuça do amigo secreto, eu tento estabelecer a importância de uma nova hashtag que somou, à denúncia da #primeiroassédio, um componente de desconstrução e deslocamento. Evidentemente não se trata de negar a seriedade de ocorrências graves mas, ao contrário, impedir que elas sejam sequestradas e abduzidas pelas “grandes narrativas” verticais – inclusive as do “esquerdomacho”.

Por isso eu até entendo a impaciência com que a solidariedade aos parisienses vitimados por ataques terroristas tenha sido tratada por quem “preferia” a solidariedade à tragédia ambiental de Mariana, no Brasil. Por um lado, como especulei neste texto, Meu mártir é mais mártir do que o seu (não), há um componente (cristão e marxista) na busca de narrativas de culpa e punição nas tragédias. Mas, neste caso, houve também o elemento saudável de desconstruir a grande narrativa institucional que tentou se vender em torno de Mariana (acidente, heroísmo, a empresa como co-vítima, a pretensa resposta do estado). Se finalmente está se colocando um dedo na cara da Samarco, da Vale (cujo papel tentou se ocultar), dos governos municipal, estadual e federal, foi (num aparente paradoxo) por conta da pressão das redes virtuais.

Na verdade, a “lama tóxica” não existe no corpo natural da terra. Ela é a resultante de um estupro, o da mineração, e de suas tecnologias mais irresponsáveis. Assim como o abuso de um corpo feminino extrai de uma mulher o seu pior, o abuso da natureza, produto de uma alucinação coletiva patriarcal, conduz a terra ao desequilíbrio e à destruição. Com a chamada esquerda totalmente intoxicada pela ilusão desenvolvimentista, como nota o professor Moysés Pinto Neto, “essa divisão entre direita e esquerda (…) não será a mais relevante para os próximos tempos. A batalha não está mais no campo antitético entre Estado e Mercado, mas entre o crescimento e seus inimigos – os rexistentes ou, usando o termo de Latour, os terranos”.

De certa forma, é a inteligência “terrana” (horizontal) que chega à internet, para desautorizar uma suposta esquerda cuja impertinência narrativa é em tudo similar à da direita. A cara de um peixe morto se parece cada vez mais com uma tragédia – e a cara de um líder autorreferente, autocongratulatório e autocredibilizável como Lula se parece cada vez mais com a de um peixe morto.

Anúncios

Operação Mindfuck

por Dark Night

Operação Mindfuck é sem dúvida uma arte que visa não o terror, mas mudar a forma em que é pensada a realidade.  O terror pode ser eventualmente usado, mas deve- se diferenciar o terror do terrorismo.
O terror se situa na mente e visa apenas mudar a forma de pensar e não a pessoa que pensa. Claro que, se muda a forma de pensar,  a pessoa não será mais a mesma, e consequentemente a pessoa foi eliminada.  A diferença é que houve uma metamorfose mental.
O terrorismo usado na OM é poético.  São eventualmente usadas imagens fortes com a intensão de causar impressão na imaginação do indivíduo que observa.

Alguns forjam rituais de magia negra para fazer isso.  Não que houve realmente um culto satânico, mas um teatro. Quem observa não sabe, força a mente a pensar e concluir diversas formas de ideias implantadas no subconsciente ao longo de sua vida.

Uma sugestão, inspirada num verdadeiro terrorismo poético, é fazer um vídeo com ruídos no fundo,  mensagens subliminares e mandar por correio para pessoas aleatórias ou alvos (blogueiros) .

Uma tática tomada por uma das cabalas discordianas do Brasil é enviar e-mail nonsense e illuminati para humoristas, divulgar o discordianismo em páginas da web (tal como foi feito no site MegaCurioso) atingindo um maior público possível.

Outra estratégia vinda de tempos atrás é escrever em notas de dinheiro a palavra FNORD.

Também poderia ser deixados bilhetes em livros,  praças,  bancos de ônibus,  banheiros públicos, etc.

Faça parte da maior brincadeira mundial, a Operação Mindfuck,  com o objetivo de causar não uma confusão,  mas sim uma forma nova de ver a realidade.

Mande para a Sociedade Fnordiana Discordiana a sua sugestão de MindFuck no endereço discordanismo23@gmail.com

RT @CopBlock: The Importance of Distinguishing Between Chaos, Order and Disorder Discordianism & Anarcho-Futurism https://t.co/cUwcOPTkPr

Discordianismo MultiCabalense

//platform.twitter.com/widgets.js
via Twitter https://twitter.com/discordianismo2

November 25, 2015 at 10:33AM

Ver o post original

Transformação

por Sophia Losterh

Em todos os sonhos que tenho, em todas as coisas que quero, em tudo aquilo que penso e sinto, mora um instinto transformador inquieto que grita todos os dias.

Sofro de tantas doenças futuras que penso aonde está o meu presente na realidade em que vivo.

Neste ar catarrado dessa minha raça suja, de nós humanos de propósito vis, que só são feitos de água carne e puro puro ego.

As transformações batem em todos, batem em mim e perguntam quando terão uma chance. Quando são olhadas em conjunto e cada qual quer iluminar a sua parte, apenas a sua parte, apenas a si e as seus feitos diminutos.

As transformações não são sonhos que não se sonham sozinhos.  Oras que toda vontade é só, a força é só, porque do outro só se pode unir a solidão dele mesmo.

As maiores transformações virão de um. Cada um, isolado no meio da mesma multidão de idéias.  Cada um completamente só,  quebrando a cabeça e tendo dicas em contatos errantes com o que lhe é externo.

Só nos resta a nós desgraçados sermos fortes como pragas e persistir, aonde não há colegas e nem o som de um coro. Persistir como uma doença e nos permitir contagiar aos outros e a nós mesmos completamente.

Interioridade e Exterioridade

por Moysés Pinto Neto

O principal dos equívocos conceituais que alimentam a ideologia do crescimento econômico, sustentada tanto pela direita quanto a esquerda, é separação entre interioridade e exterioridade, colocando a cultura do lado interior — do qual a economia faz parte –, e a natureza do lado exterior, sendo portanto reduzida tecnicamente a uma “externalidade” do sistema. Essa configuração absurda do espaço dentro/fora faz com que o meio político — incluídos quase todos os seus satélites, como mídia, economistas e boa parte da militância — continue alimentando a ilusão de que, se tudo estiver bem “aqui dentro” (a economia, os números etc.) estamos “protegidos” contra os perigos que estão “lá fora” (na natureza, na floresta, no oceano etc.). No ponto mais doentio, essa cosmovisão sustenta a dominação total do ecossistema, adaptando-o às finalidades “humanas” (na verdade, a compulsão doentia por crescimento reificada que caracteriza o projeto Ocidental); no ponto mais moderado, negocia como se a natureza fosse uma moeda a ser trocada e quantificada — tudo em nome do “progresso”.

Não adianta mostrar que não só somos penetrados por “dentro” quando respiramos ar, nos hidratamos com água ou quando ingerimos alimentos ou tudo que nos mantêm vivos, e nem que nosso pensamento (esse suposto “interior”) é, desde sempre, dependente de um corpo que, por si só, é natureza em pulsação, a começar pelo próprio cérebro. Não adianta nem mesmo mostrar como uma catástrofe tal como a ocorrida em MG desestabiliza toda noção de “cultura”, tudo que porventura possa ter passado a significar “obra humana” nos lugares que agora vivem efeitos de forças que ultrapassam qualquer tentativa de controle. O imaginário do crescimento é uma intoxicação, uma compulsão de uma sociedade viciada. Por isso mesmo, acho que essa divisão entre direita e esquerda, apesar dos pesares, não será a mais relevante para os próximos tempos. A batalha não está mais no campo antitético entre Estado e Mercado, mas entre o crescimento e seus inimigos — os rexistentes ou, usando o termo de Latour, os terranos.

RT @timoteopinto: O problema do capitalismo é o Capital: Pode ser que um dia, lá no futuro, daqui a cem anos, nossos bisnetos ol… https://t.co/PeCGRkVuN3

Discordianismo MultiCabalense

//platform.twitter.com/widgets.js
via Twitter https://twitter.com/discordianismo2

November 19, 2015 at 06:37PM

Ver o post original

Abelhas comem Mel

Error23

Abre parêntese e fecha aspas.  Com.certeza aquela nuvem lá em cima tende a despencar sobre os mantos de Nagadas.  Um breve momento para as pequenas janelas do novo mundo para refletir algo sem cor.
Não está entendendo nada, mas os macacos realmente gritaram sobre os conteúdos de plástico que os anjos confundiram.
Esse texto vem da Deusa sobre a era milho verde para que rompa com sua casca de bergamota.
Na real é um simples absurdo todo tipo de sonho, estou aprendendo a escrever no decorrer do curso.

Mas saindo da introdução nonsense para falar sobre a tática OM… pata despistar os caracinza.

O movimento Fnord está sendo planejado e seguindo algumas estratégias sugiro:
* Colocar a # Fnord junto com as demais,  incluindo as de programa de televisão.
* escreva uma frase bem nonsense e espalhe aleatoriamente com perfis aleatórios.  Vai causar grandes repercussões mindfuckianas
* vamos nos unir…

Ver o post original 76 mais palavras